Clicky

Evangelhos Gnósticos

Evangelhos Gnósticos

 
Você está aqui: Religião >> Evangelhos Gnósticos 2
(Leia Evangelhos Gnósticos Parte 1 Primeiro)

Evangelhos Gnósticos - O Evangelho de Tomé
Embora os evangelhos gnósticos considerados até este ponto sejam importantes e disponíveis para muitas pesquisas frutíferas, de longe, a maioria dos esforços acadêmicos (e populares) têm sido dispensados ao Evangelho de Tomé. Em certo sentido, o termo "evangelho" também é equivocamente aplicado aqui, pois não há nenhum elemento narrativo que pertença ao conjunto disperso de 114 ditos que constituem o Evangelho de Tomé.1 De fato, "nenhuma coleção de ditos de Jesus pode ser corretamente chamada de Evangelho porque pela sua natureza não tem a narrativa da paixão", a qual é o "núcleo essencial do Evangelho."2

Embora apresentadas como "as palavras ocultas que o Jesus vivente falou e Judas Tomé, o gêmeo, gravou", essa atribuição a Tomé é provavelmente falsa.3 A estrutura dispersa de Tomé faz com que seja difícil apontar um tema teológico unificador, mas pode ser descrito como um evangelho de sabedoria, no qual o "Jesus de Tomé dispensa conhecimento da sua fonte borbulhante de sabedoria (dito 13), desconta o valor da profecia e seu cumprimento (dito 52), critica os anúncios apocalípticos e do fim do mundo (ditos 51, 113) e oferece um caminho de salvação através de um encontro com os dizeres do 'Jesus vivente'."4 Se as palavras de Tomé e dos outros evangelhos gnósticos forem verdadeiramente autênticas (como suposto por muitos estudiosos), e se os ditos autênticos de Jesus forem verdadeiramente autoritários (como suposto por Cristãos evangélicos em todo o mundo), então surge um problema. Até mesmo os mais breves tratamentos dos evangelhos gnósticos são suficientes para mostrar o grande desacordo, até contradição, entre o Jesus do cânone e o Jesus de Nag Hammadi. Em face desta dificuldade, parece apropriado examinar brevemente a confiabilidade dos evangelhos canônicos para então comparar sua posição com a dos evangelhos gnósticos.


São os Evangelhos Gnósticos confiáveis?
A confiabilidade dos evangelhos do Novo Testamento Dois padrões são úteis em qualquer avaliação da confiabilidade dos textos bíblicos, sobretudo nas áreas de transmissão e preservação de manuscritos. Estas normas são genuinidade, neste caso referindo-se à verdade na autoria de um determinado texto bíblico e autenticidade, referindo-se à verdade no conteúdo.5 Dadas as normas às quais a Bíblia mantém a si mesma, por exemplo, "Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça" (2 Tm. 3:16), então é claro que para um livro ser considerado canônico, ele deve ser genuíno e autêntico. O espaço não permite uma exploração integral das reivindicações de confiabilidade dos evangelhos canônicos, mas o leitor é encorajado a consultar um dos muitos textos úteis já escritos sobre este tema (um exemplo é A General Introduction to the Bible, por Geisler e Nix).

São os Evangelhos Gnósticos Canônicos? Se for possível supor que os evangelhos canônicos são genuínos e autênticos (e portanto confiáveis), uma pergunta lógica a fazer é se os evangelhos gnósticos são em si próprios canônicos. Pois se são canônicos, e se evangelhos canônicos são confiáveis, então os evangelhos gnósticos são claramente confiáveis (pondo de lado por enquanto as implicações negativas que essa conclusão implica no que diz respeito à coerência do relato bíblico como um todo). Infelizmente, porém, por mais que se tente defender a sua confiabilidade, os evangelhos gnósticos por muito deixam de cumprir o padrão canônico.

Tomemos, por exemplo, O Evangelho de Tomé. Uma vez que é o mais interessante e aparentemente o mais privilegiado entre os chamados evangelhos gnósticos – um exame da confiabilidade de Tomé (ou falta dela) deve esclarecer muitas coisas sobre os evangelhos gnósticos, e talvez até sobre a coleção completa de Nag Hammadi. Por exemplo, se puder ser provado que a credibilidade de Tomé sofre de sérios desafios, então há razão para considerar descontar, pelo menos em termos do que é útil para a fé e a prática, a maioria (senão todas) das outras obras gnósticas também.

Será, então, que O Evangelho de Tomé exibe a principal marca da inspiração e autoridade apostólica? Parece que a resposta deve ser negativa. Apesar de toda a atenção dada a Tomé, o consenso acadêmico parece ser que a atribuição dada a Judas Tomé, o gêmeo, é quase certamente falsa. O primeiro golpe contra a autoria apostólica de Tomé é a data tardia da provável autoria. Os estudiosos em desacordo com essa avaliação, pelo menos um dos quais é um bem-documentado defensor de Tomé,6 parecem acreditar que as porções independentes de Tomé (aquelas que não correspondem diretamente ao material canônico) apontam para uma fonte anterior à dos Evangelhos do Novo Testamento -- um texto paralelo ou anterior à fonte Q.7 No entanto, "a interpretação mais óbvia dos documentos de Nag Hammadi é que todos eles são tipicamente sincréticos" e, como tal, são "inteiramente explicáveis em termos do que hoje sabemos sobre o gnosticismo do segundo e do terceiro séculos."8 É então plausível que Tomé seja de data anterior e informe os evangelhos canônicos; mas é mais provável que ele tenha incorporado trechos de uma ampla gama de influências religiosas.

Outra prova da falsa atribuição mostra-se até mesmo nos alunos mais entusiasmados de Tomé. Um estudioso, ao discutir a genuinidade, nem sequer tenta apresentar argumentos para a autoria apostólica de Tomé, mas tenta ao invés igualá-lo com os evangelhos canônicos ao pôr em dúvidas a origem desses evangelhos. Porque se de fato "poucos [acadêmicos] acreditam hoje que os contemporâneos de Jesus realmente escreveram os evangelhos do Novo Testamento", e "sabemos apenas que estes escritos são atribuídos a apóstolos ... ou seguidores dos apóstolos", então dizer que "os autores gnósticos, da mesma forma, atribuíram seus escritos secretos a vários discípulos" não causa nenhum dano à autoridade dos evangelhos gnósticos.9 No entanto, como foi demonstrado, há pouco motivo para tal ceticismo quanto à origem dos evangelhos canônicos. Portanto, o Evangelho de Tomé, apesar das melhores tentativas dos estudiosos de igualá-los aos evangelhos canônicos, nem sequer chega perto da autoridade por eles desfrutada.

Leia Evangelhos Gnósticos Page 3 Agora!

Footnotes

  1. Helmut Koester, "Introduction: The Gospel of Thomas," in The Nag Hammadi Library, ed. James M. Robinson (San Francisco: Harper & Row, 1988), 124.
  2. Bruce, 155.
  3. Meyer, Gospel of Thomas, 23.
  4. Ibid., 10.
  5. Norman L. Geisler and William E. Nix, A General Introduction to the Bible (Chicago: Moody Press, 1986), 343.
  6. Tom Thatcher, "Early Christianities and the Synoptic Eclipse: Problems in Situating the Gospel of Thomas," Biblical Interpretation 7 (July 1999): 326-327.
  7. Koester, 125.
  8. James D.G. Dunn, The Evidence for Jesus (Philadelphia: The Westminster Press, 1985), 98.
  9. Elaine Pagels, The Gnostic Gospels (New York: Random House, 1979), 17.


Gostou dessa informação? Ajude-nos ao compartilhar esse artigo com outras pessoas usando os botões dos sites sociais abaixo. O que é isso?




Siga-nos:




English  
Social Media
Siga-nos:

Compartilhar:


Por que a fé cristã?

Canalização
Quiromancia
Meditação Transcendental
Adoração a Satanás
Cabala
Reencarnação
Ocultismo
Experiência Fora do Corpo
Profecia Celestina
Conteúdo adicional ...

Deus existe cientificamente?
Deus existe filosoficamente?
A Bíblia é a verdade?
Quem é Deus?
Jesus é Deus?
Cresça com Deus
Assuntos populares
Desafios da vida
Recuperação
 
 
 
Pesquisar
 
Add Evangelhos Gnósticos to My Google!
Add Evangelhos Gnósticos to My Yahoo!
XML Feed: Evangelhos Gnósticos
Religião Página principal | Sobre nós | Perguntas Frequentes | Mapa do Site
Copyright © 2002 - 2018 AllAboutReligion.org, Todos os direitos reservados.